Inaugurada em 17 de Outubro

Etar de Outil está a funcionar

O custo da empreitada ascende a cerca de 1 milhão de euros e teve uma comparticipação comunitária de 60%, no âmbito do Programa de Valorização do Território (POVT). Faz parte de um programa de investimentos no sector do saneamento da ordem dos 13,4 milhões de euros, com o qual o Município de Cantanhede ficará, em 2012, com 95% do território servido por sistema de recolha e tratamento de esgotos. A ETAR de Outil foi ontem inaugurada para tratar os efluentes desta freguesia, bem como os lugares de Zambujal e Fornos, na freguesia de Cadima, ficando agora as duas com uma taxa de cobertura de 100%.

Na visita ao local, o presidente da Câmara Municipal, João Moura, esteve acompanhado pelo presidente do Conselho de Administração da INOVA-EEM, António Patrocínio Alves, e por Ana Barata da Silva, vogal executiva da comissão directiva do POVT, Mónica Gonçalves, técnica responsável pela obra no âmbito desse programa de financiamento. Presentes estiveram também a vice-presidente da autarquia, Helena Teodósio, o vereador do Ambiente e Qualidade de Vida, Pedro Cardoso, o vereador do Urbanismo, José António Pinheiro, e os presidentes de junta de Outil e de Cadima, respectivamente Paulo Santos e José Alberto Pessoa.

Na ocasião, o líder do executivo camarário elogiou «o modo como a empresa municipal tem concretizado as orientações da autarquia neste sector, nomeadamente com a elaboração do “Documento de Enquadramento Estratégico do Saneamento de Águas Residuais do Concelho de Cantanhede”, a que se seguiu um trabalho notável na preparação das candidaturas de 13 empreitadas e na realização das obras, todas com apoio comunitário».

João Moura referia-se «quer às candidaturas apresentadas pela INOVA-EEM ao POVT, quer nas submetidas ao QREN – Mais Centro, neste caso na sequência da negociação da Câmara Municipal na Comunidade Intermunicipal do Baixo Mondego, onde a autarquia fez questão de destinar para o sector do saneamento 50% dos projectos que fez aprovar nesse âmbito».

O autarca lembrou que «a INOVA-EEM obteve dos dois programas de financiamento comparticipações para obras que correspondem a um investimento total de 13,4 milhões de euros», relevando o facto de que «em 2009 apenas 54% do território tinha sistema de esgotos a funcionar e que em 2012 a taxa de cobertura efectiva será de 95%. Deste modo este dossiê fica encerrado de uma vez por todas. Seria um contra-senso a aposta que estamos a fazer na valorização da base económica do Concelho para áreas da inovação e deixarmos persistir a falta de uma infra-estrutura básica tão importante como a da recolha e tratamento de esgotos», concluiu.

Por seu lado, o presidente do conselho de administração da INOVA-EEM começou por enaltecer «a postura dos responsáveis do POVT relativamente à candidatura da ETAR de Outil e de várias outras empreitadas em curso ou entretanto já concluídas. Encontrámos um exemplo de rigor e eficiência na avaliação das candidaturas que apresentámos a esse programa do QREN, mas encontrámos também da parte um espírito de cooperação extraordinário em todo o processo. Creio que se estabeleceu uma parceria muito frutuosa como aliás podemos constatar pelo modo como se têm desenrolado as obras comparticipadas».

Segundo António Patrocínio Alves, «a ETAR de Outil está equipada com um sistema de tratamento primário, secundário e terciário ultravioleta, o que, além de eliminar os riscos de eventuais impacto ambientais negativos, permite que 40% das águas residuais drenadas pelo sistema colector sejam reutilizadas na agricultura».

Usou ainda da palavra a vogal executiva da comissão directiva do POVT, Ana Barata da Silva, que fez questão de sublinhar «o grande profissionalismo dos responsáveis da INOVA-EEM, o que ajuda a justificar o facto de terem visto aprovadas todas as candidaturas que apresentaram. Independentemente dos valores em causa, fizeram um excelente trabalho na fundamentação técnica e financeira dos processos e procederam sempre com muita competência e celeridade em todas as fases. Para nós é sempre muito gratificante trabalhar com equipas desta qualidade».

A concluir, Ana Barata da Silva valorizou ainda «o facto de a ETAR de Outil ter entrado em funcionamento, não apenas por aumentar o número de habitações a servir, com tudo o que isso representa ao nível da qualidade de vida das pessoas e da comunidade, mas também porque se trata de uma obra que representa bastante no contexto do alargamento, a todo o Concelho, da rede colectora e tratamento dos efluentes».

About the Author